Vacinação contra a COVID-19

O Espírito Santo recebeu no dia 18 de janeiro as primeiras doses da vacina contra o novo Coronavírus (Covid-19), dando início à campanha de vacinação no Estado. Alguns municípios iniciaram a vacinação no dia 19 de janeiro, quando o Governo do Estado – por meio da Secretaria da Saúde (Sesa) – iniciou a distribuição das doses da CoronaVac, do Instituto Butantan, para atender ao público-alvo definido pelo Plano Nacional de Vacinação (PNI) na primeira etapa da fase 1 da campanha de vacinação.

Após novas remessas das vacinas contra o novo coronavírus dos laboratórios AstraZeneca/Oxford e Coronavac as vacinas vão atender, no primeiro momento, aproximadamente 78% dos trabalhadores da saúde, conforme Resolução CIB nº 011/2021. Além disso, estão incluídos idosos com mais de 60 anos em Instituições de Longa Permanência (institucionalizados), pessoas maiores de 18 anos com deficiência residentes em Residências Inclusivas, indígenas aldeados e pessoas com 90 anos ou mais de idade.

Conforme a Resolução CIB nº 13/2021 ocorrerá a vacinação descendente da população idosa prevista na primeira fase do Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19 à medida que houver disponibilidade de vacinas por excedente das doses disponibilizadas pelo Ministério da Saúde para o público de idosos ou devido a entrega de novos lotes, conforme ordem de prioridade:

  1. 85 a 89 anos;
  2. 80 a 84 anos;
  3. 75 a 79 anos;
  4. 70 a 74 anos;
  5. 65 a 69 anos;
  6. 60 a 64 anos.

A vacinação do grupo subsequente será autorizada sempre que a meta de vacinação de 90% for atingida no grupo alvo, com as doses devidamente registradas pelo município no Sistema de Informação SIPNI (módulo Campanha de Vacinação Covid-19), do público da faixa etária prevista pelo IBGE.

A partir do atendimento da Resolução CIB nº 011/2021, contemplar os demais trabalhadores exclusivos da saúde, iniciando pelos trabalhadores acima de 60 anos de idade, conforme descrição dos grupos prioritários do Informe Técnico da Campanha de Vacinação contra a Covid-19 do Ministério da Saúde.

Ainda segundo determinações do Ministério da Saúde, a população-alvo da campanha nacional de vacinação contra a Covid-19 foi priorizada seguindo os critérios de exposição à infecção, além de maiores riscos para agravamento e óbito pela doença. O escalonamento desses grupos populacionais para vacinação se dará conforme a disponibilidade das doses de vacina.

A imunização ocorrerá em duas doses, com um intervalo de tempo de quatro semanas para a vacina Coronavac e de 12 semanas para a vacina AstraZeneca/Oxford. Para a aplicação da segunda dose, a Secretaria da Saúde realizará nova distribuição às Regionais e municípios do estado.

CRONOGRAMA DE VACINAÇÃO

  • 1ª ETAPA DA FASE 1
    • Trabalhadores da saúde;
    • Idosos com mais de 60 anos em Instituições de Longa Permanência (institucionalizados);
    • Pessoas maiores de 18 anos com deficiência residentes em Residências Inclusivas;
    • Indígenas aldeados;
    • Idosos acima de 90 anos de idade.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR TODA LEGISLAÇÃO RELACIONADA À VACINAÇÃO 

COMO SE VACINAR

No primeiro momento, os municípios usarão a mesma estratégia nas campanhas anuais contra a gripe. A aplicação das doses vai ocorrer diretamente nos serviços para os trabalhadores da saúde que atuam nesses locais.

Nos postos de saúde, serão vacinados os demais trabalhadores da saúde através do agendamento online ou telefônico, e outras estratégias de vacinação adotadas pelos municípios.

Idosos residentes e trabalhadores de instituições de longa permanência (asilos, casas de repouso e abrigos) serão vacinados no próprio local.

Indígenas recebem na própria aldeia.

Nas próximas fases, a população alvo da Campanha poderá se vacinar nos postos de saúde mais próximo de onde moram nas datas respectivas de cada público e conforme estratégia de vacinação adotada por cada município.

SOBRE A VACINA

Vacina CoronaVac COVID-19 (Sinovac/Butantan)

Os estudos de soroconversão da vacina Sinovac/Butantan, demonstraram resultados de > 92% nos participantes que tomaram as duas doses da vacina no intervalo de 14 dias e > 97% nos participantes que tomaram as duas doses da vacina no intervalo de 28 dias.

A eficácia desta vacina foi demonstrada em um esquema contendo 2 doses com intervalo de 2 a 4 semanas. Para prevenção de casos sintomáticos de covid-19 que precisaram de assistência ambulatorial ou hospitalar a eficácia foi de 77,96%. Não ocorreram casos graves nos indivíduos vacinados, contra 7 casos graves no grupo placebo.



Vacina Covishield COVID-19 (AstraZeneca/Fiocruz)

A vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca/Universidade de Oxford em parceria com a Fiocruz é uma vacina contendo dose de 0,5 mL contém 1 × 1011 partículas virais (pv) do vetor adenovírus recombinante de chimpanzé, deficiente para replicação (ChAdOx1), que expressa a glicoproteína SARS-CoV-2 Spike (S). Produzido em células renais embrionárias humanas (HEK) 293 geneticamente modificadas.

Os estudos de soroconversão da vacina Covishield, demonstraram resultados em ≥ 98% dos indivíduos em 28 dias após a primeira dose e > 99% em 28 dias após a segunda dose.

A eficácia desta vacina foi demonstrada em um esquema contendo 2 doses com intervalo de 12 semanas. Os indivíduos que tinham uma ou mais comorbidades tiveram uma eficácia da vacina de 73,43%, respectivamente, foi similar à eficácia da vacina observada na população geral.

PERGUNTAS FREQUENTES

POSSO TOMAR A VACINA SE?

Já tive COVID-19

Sim, idealmente a vacinação deve ser adiada até a recuperação clínica total e pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas ou quatro semanas a partir da primeira amostra de PCR positiva em pessoas assintomáticas.

Estou grávida

A vacinação poderá ser realizada após decisão compartilhada com meu médico prescritor, desde que eu faça parte do grupo prioritário no momento da campanha.

Estou amamentando

A vacinação poderá ser realizada após decisão compartilhada com meu médico prescritor, desde que eu faça parte do grupo prioritário no momento da campanha. Caso opte pela vacinação, o aleitamento materno não deverá ser interrompido.

Recebi outras vacinas

Não, neste momento não se recomenda a administração simultânea das vacinas Covid-19 com outras vacinas. Recomenda-se um intervalo mínimo de 14 dias entre as vacinas Covid-19 e as diferentes vacinas do Calendário Nacional de Vacinação.

Alergia a ovo

Sim, desde que eu faça parte do grupo prioritário no momento da campanha.

Tive febre nas últimas 24 horas (>37,5º C)

Não.

Estou com febre (> 37,5º C)

Não.

Tomo corticoide

Sim, desde que eu faça parte do grupo prioritário no momento da campanha.

Tomo imunossupressor

Sim, desde que eu faça parte do grupo prioritário no momento da campanha.

Tomo imunobiológico (anticorpos monoclonais)

Sim, desde que eu faça parte do grupo prioritário no momento da campanha.

Tomo antiagregantes plaquetários

Sim, desde que eu faça parte do grupo prioritário no momento da campanha.

Tomo anticoagulantes orais

Sim, mas por cautela a vacina deve ser administrada o mais longe possível da última dose do anticoagulante direto

Sou portador de doença reumática imunomediada (DRIM)

Preferencialmente devo ser vacinado estando com a doença controlada ou em remissão, como também em baixo grau de imunossupressão ou sem imunossupressão. Entretanto, a decisão sobre a vacinação deve ser individualizada, levando em consideração a faixa etária, a doença reumática autoimune de base, os graus de atividade e imunossupressão, além das comorbidades, devendo ser sob orientação de médico especialista.

Estou em tratamento de câncer

A avaliação de risco benefício e a decisão referente à vacinação ou não deverá ser realizada em conjunto com o médico assistente, sendo que a vacinação somente deverá ser realizada com prescrição médica.

Sou transplantado

A avaliação de risco benefício e a decisão referente à vacinação ou não deverá ser realizada em conjunto com o médico assistente, sendo que a vacinação somente deverá ser realizada com prescrição médica.

Tenho imunossupressão

A avaliação de risco benefício e a decisão referente à vacinação ou não deverá ser realizada em conjunto com o médico assistente, sendo que a vacinação somente deverá ser realizada com prescrição médica.

Tenho alergia grave a algum dos componentes da vacina

Não.

Tive reação anafilática confirmada a uma dose anterior de uma vacina COVID-19

Não.

Sou criança ou adolescente?

Não. As crianças e adolescentes menores de 18 anos de idade não foram envolvidos nos grupos de teste de desenvolvimento das vacinas. Portanto, não existem estudos que atestem a eficácia e a segurança da vacina para esses grupos.

O VACINADOR DEVE UTILIZAR LUCAS DE PROCEDIMENTO NA APLICAÇÃO DAS VACINAS?

Não, o uso de luvas não é obrigatório na aplicação de vacinas, pois o indispensável é a higienização das mãos antes e após o procedimento. O uso de luvas só está indicado quando o vacinador estiver com lesões abertas nas mãos ou raras situações que envolvam contato com fluidos corporais do paciente. Se usadas, devem ser trocadas entre os pacientes, associadas à adequada higienização das mãos.

POSSO TOMAR A VACINA E DOAR SANGUE?

Não, fico inapto a doar sangue temporariamente, ou seja, por 48 horas para a vacina Covid-19 Sinovac/Butantan e por 7 dias para a vacina Covid-19 AstraZeneca/Fiocruz.

POR QUE É IMPORTANTE TOMAR A VACINA?

Há uma série de razões, individuais e coletivas, para que todos se vacinem. Ao se vacinar, você não está protegendo apenas a si mesmo. Garantindo a própria imunidade, você protege também outras pessoas ao seu redor, evitando, assim, que a doença se propague ainda mais. Além disso, beneficiará, principalmente, aqueles que, por alguma razão, não podem se vacinar. Ou seja, quanto maior o número de pessoas vacinadas, menos vírus teremos circulando pelas ruas. Estima-se que será necessário vacinar entre 70% e 80% da população para reduzir a circulação do coronavírus e acabar com a pandemia. Sendo assim, a decisão de se vacinar tem impacto na saúde coletiva e, por isso, não pode ser encarada como uma decisão individual.

POSSO PARAR DE USAR A MÁSCARA E ÁLCOOL GEL ASSIM QUE FOR VACINADO?

Não, pois o fato de estarmos vacinados não significa que a pandemia tenha acabado. Essa situação só ocorrerá quando o número de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus for significativamente reduzido, a ponto de diminuir a taxa de contaminação a níveis muito mais baixos do que os atuais – atingindo padrões de contaminação e gravidade similares aos da influenza, por exemplo. Só então poderemos dizer que a pandemia acabou e que é possível voltar ao seu ritmo normal de vida, sem a necessidade de uso de máscara e do isolamento.

QUANTO TEMPO A VACINA VAI DURAR? SERÁ PRECISO TOMAR TODO ANO?

Ainda não temos certeza sobre o tempo de duração da imunidade promovida pela vacina e, por enquanto, estima-se que será necessário fazer a vacinação anualmente, como no caso da influenza (gripe).

POR QUE A VACINA FOI DESENVOLVIDA DE FORMA TÃO RÁPIDA?

As vacinas de Covid-19 surpreenderam pela agilidade com que foram produzidas, testadas e aprovadas. Mas é importante frisar que todos os protocolos de segurança foram seguidos. Essa rapidez se deu por alguns motivos: Grande parte do tempo normalmente levado para desenvolver uma vacina era burocrático e foi flexibilizado durante a pandemia. A velocidade de desenvolvimento das vacinas é também consequência de muitos anos de evolução científica e tecnológica, que permitiram avanços na identificação da composição do vírus e a aplicação de técnicas modernas e variadas que já vinham sendo adotadas em testes de outras vacinas. Por conta da situação de pandemia, com a rápida disseminação do vírus e número expressivo de infectados, foram aceleradas as fases de teste de eficácia e segurança. Se uma parte dos voluntários adquire a doença, é possível avaliar, num período relativamente curto de tempo, a proteção oferecida pela vacina. Para realizar todas as pesquisas e testes necessários para a fabricação de uma vacina, é preciso um alto investimento financeiro. Diversos governos e instituições estão direcionando recursos para que os laboratórios desenvolvam rapidamente a vacina.

AS VACINAS CONTRA COVID-19 SÃO SEGURAS?

Sim. Para qualquer vacina ser liberada, é necessário que antes sejam feitos testes de segurança e eficácia. Sendo assim, as vacinas contra a Covid-19 estão sendo rigorosamente testadas, com milhares de voluntários em todo mundo, incluindo aqui no Brasil, tendo se mostrado seguras. As vacinas atuais são de vírus inativado ou se utilizam de parte do vírus para ativar o sistema imune. Nenhuma delas tem potencial infeccioso.

SE EU TOMAR A PRIMEIRA DOSE DA VACINA DE UM LABORATÓRIO EU TENHO QUE TOMAR A SEGUNDA DOSE DO MESMO LABORATÓRIO?

Sim. Se você tomar a primeira dose da vacina de um determinado laboratório precisa finalizar o esquema vacinal (tomar a segunda dose) com o mesmo imunizante.


CONHEÇA OS PLANOS

VERSÕES ANTERIORES DO PLANO ESTADUAL: